A clareza para manter consistentemente seus pacientes na
faixa de volume ideal. O controle para reduzir a variabilidade na
administração de volume.
Parâmetros dinâmicos e baseados
em fluxo na sala de cirurgia 
Parâmetros hemodinâmicos avançados
utilizados em um protocolo de PGDT
dirigido por um médico são fundamentais para a administração
do volume ideal. 31
Sistema ClearSight
não invasivo
Sistema FloTrac
Minimamente Invasivo
Cateter Swan-Ganz
Abrangente
Pioneira no anejo hemodinâmico, a Edwards oferece soluções integradas
de monitoramento hemodinâmico que podem ser utilizadas no perioperatório, desde a sala de cirurgia até a UTI.

As soluções de monitoramento hemodinâmico da Edwards fornecem parâmetros hemodinâmicos avançados que provaram ser mais informativos na determinação da capacidade de resposta a fluidos do que os parâmetros convencionais baseados em pressão, como a pressão arterial média (PAM) e a pressão venosa central (PVC). 1,2

Cada uma das soluções de monitoramento da Edwards oferece informações contínuas, dinâmicas e baseadas em fluxo que podem ser usadas na terapia dirigida por metas no perioperatório ("PGDT") para manter consistentemente pacientes de cirurgia de risco moderado a alto na faixa de volume ideal. 3

Sistema FloTrac
Minimamente Invasivo
Sistema ClearSight
não invasivo
Cateter Swan-Ganz
Abrangente

Com base na complexidade de cada procedimento e nos fatores de risco do paciente, escolha os parâmetros dinâmicos
e baseados em fluxo preferidos e a solução de monitoramento hemodinâmico da Edwards
adequada à sua
abordagem clínica e às necessidades de pacientes de cirurgia de risco moderado a alto.


A Edwards oferece uma variedade de suporte a produtos, ferramentas e recursos educacionais para ajudá-lo a melhorar o atendimento ao paciente, ampliando
os benefícios da redução da variabilidade na administração de volume para uma faixa mais ampla de pacientes, e mais

O valor baseado em evidências para manter seu paciente na faixa ideal de volume através da Terapia Dirigida por Metas no Perioperatório ("PGDT") 4-7
30+
ensaios controlados
randomizados
Baixe a lista completa de
estudos
14+
metanálises
Baixe a lista completa de
estudos

Mais de 30 ensaios clínicos randomizados e mais de 14 metanálises demonstraram benefícios clínicos da otimização hemodinâmica utilizando um protocolo de PGDT e parâmetros avançados em relação ao manejo de volume padrão, incluindo a redução de complicações pós-cirúrgicas em uma ampla gama de populações cirúrgicas de risco moderado a alto. 4-7


Além disso, evidências clínicas mostram que a otimização hemodinâmica dirigida por metas de pacientes de alto risco, iniciada na sala de cirurgia e continuada na UTI, não apenas melhora os desfechos em curto prazo, mas também aumenta a sobrevida em longo prazo. 8-27

Como manter consistentemente o seu paciente
na faixa de volume ideal.
Relação de Frank-Starling entre a pré-carga
e o volume sistólico (VS)

O manejo de volume ideal é possível quando
parâmetros dinâmicos e baseados em fluxo
são usados dentro de um protocolo, como a
Terapia Dirigida por Metas no Perioperatório ("PGDT"). 3,28-30


O manejo da administração de volumes não é o mesmo
que manter consistentemente o paciente na faixa de
volume ideal. 3,28,33-34
Benefícios dos parâmetros hemodinâmicos avançados
na orientação da administração de volumes.

Desvios da estabilidade hemodinâmica podem aumentar com procedimentos mais invasivos
e/ou condições clínicas mais graves.
O acesso contínuo a parâmetros hemodinâmicos avançados
oferece uma visão imediata do estado fisiológico do paciente, lhe dando a clareza para
tomar decisões de administração de volume mais informadas, ajudando-o a manter consistentemente seus pacientes na faixa de volume ideal.3,8,23,25,26,38-42

Parâmetros hemodinâmicos avançados versus
cuidados convencionais.


O gerenciamento convencional do volume, baseado em monitoramento padrão,
incluindo pressão venosa central (PVC), não
é o ideal. 1,2


Estudos clínicos mostraram que a PVC não é capaz de prever a capacidade de resposta a fluidos1
e que mudanças na pressão arterial não podem
ser usadas para monitorar mudanças no volume sistólico (VS) ou no débito
cardíaco (DC) induzidas pela expansão volêmica. 2


A Variação do Volume Sistólico (VVS) demonstrou maior
sensibilidade e especificidade na avaliação do volume sanguíneo circulante
quando comparada aos indicadores convencionais
do status volêmico (frequência cardíaca, PAM, PVC). 16,20,32

Estratégias de otimização

Otimização do Volume Sistólico (VS)11,16-19,21-26

A medição do volume sistólico com os sistemas ClearSight e FloTrac
permite uma abordagem individualizada para administrar fluido até que o VS atinja um platô na curva de Frank-Starling, para evitar hipovolemia e administração excessiva de fluido.


Otimização da Variação do Volume Sistólico (VVS) 25

Para pacientes com ventilação controlada, a VVS provou ser um indicador altamente
sensível e específico para a capacidade de resposta de pré-carga,
sensível e específico para a capacidade de resposta de pré-carga, servindo como um marcador preciso do status do paciente na curva de
Frank-Starling


Otimização da Administração de Oxigênio (DO 2com DCC) 23

O débito cardíaco contínuo (DCC), medido pelos sistemas ClearSight e FloTrac, pode ser usado (em combinação com SaO 2
e hemoglobina) para monitorar e otimizar a DO 2 com fluidos
(incluindo hemácias) e agentes inotrópicos.

Estudos de protocolo de VS Abdominal Intestino Cardíaco Cistectomia Geral Quadril Trauma Vascular
Bisgaard 2012 *
Scheeren 2012 *
Pillai 2011 *
Jhanji 2010 *
Chytra 2007 *
Noblett 2006 *
Wakeling 2005 *
McKendry 2004 *
Conway 2002 *
Gan 2002 *
Venn 2002 *
Sinclair 1997 *
Mythen 1995 *
Ventilação Mecânica 35,36

Atualmente, a literatura apoia o uso da VVS apenas em pacientes 100% mecanicamente ventilados (modo de controle) com volumes correntes acima de 8cc/kg e taxas respiratórias fixas.

Respiração Espontânea 35,36

Atualmente, a literatura não apoia o uso da VVS em pacientes que estão respirando espontaneamente devido à natureza irregular da frequência e dos volumes correntes.

Arritmias 35,36

As arritmias podem afetar drasticamente os valores da VVS. Assim, a utilidade de SVV como um guia para a ressuscitação de volume é maior na falta de arritmias.

PEEP35,36

O aumento dos níveis de pressão expiratória final positiva ("PEEP") pode causar um aumento na VVS, cujos efeitos podem ser corrigidos pela ressuscitação volêmica adicional, se justificada.

Tônus Vascular 35,36

Os efeitos da terapia de vasodilatação podem aumentar a VVS e devem ser considerados antes do tratamento com volume adicional.
Estudos de protocolo de VVS Abdominal Abdominal e vascular Cardíaco Torácico
Goepfert 2013 *
Zhang 2013 *
Zheng 2013 *
Ramsingh 2012 *
Scheeren 2012 *
Benes 2010 *
Mayer 2009 *
Estudos de protocolo de 2 DO Abdominal Geral Geral e Vascular Hepatectomia Quadril Trauma Vascular
Bisgaard 2012 *
Cecconi 2011 *
Jhanji 2010 *
Pearse 2005 *
Lobo 2000 *
Wilson 1999 *
Ueno 1998 *
Boyd 1993 *
Fleming 1992 *
Shoemaker 1988 *
Uma escolha de soluções avançadas de monitoramento hemodinâmico.
Sistema
FloTrac
Minimamente
Invasivo
Sistema
ClearSight
não invasivo
Cateter
Swan-Ganz
Abrangente
Ajudando você a melhorar o atendimento ao paciente, fornecendo
uma visão valiosa para ajudar a orientar a administração de volumes.
Sistema
ClearSight não
invasivo
A dedeira ClearSight amplia sua oportunidade de
oferecer monitoramento hemodinâmico avançado,
de forma não invasiva, a uma faixa mais ampla de pacientes que podem
estar em risco de complicações pós-cirúrgicas. Saiba mais
Sistema
FloTrac Minimamente Invasivo
O sensor FloTrac é a solução
de monitoramento hemodinâmico prática e confiável, utilizada
por mais de 2 milhões de pacientes em todo o mundo, e utilizada por mais médicos
do que qualquer outra solução de manejo de volume.*
Saiba mais
Guia de configuração
*Dados em arquivo
Cateter
Swan-Ganz Abrangente


O cateter de artéria pulmonar Swan-Ganz oferece a clareza de um perfil hemodinâmico abrangente fornecida por
uma única solução de monitoramento. Ele permite que você avalie continuamente o fluxo, a pressão e a administração e o consumo de oxigênio, para auxiliar em sua avaliação inicial. Para uma visão contínua da função cardíaca que pode permitir a intervenção precoce em seus pacientes criticamente complexos, escolha os parâmetros que melhor se adequem à sua abordagem clínica e às necessidades do seu paciente. Saiba mais
Plataforma clínica EV1000



A plataforma clínica EV1000 apresenta de forma clara e simples o estado fisiológico de seu
paciente, lhe dando a clareza para tomar decisões de administração de volume
mais informadas. Obtenha acesso contínuo aos parâmetros clinicamente validados *usando a
plataforma clínica EV1000 com o sistema ClearSight, o sensor FloTrac,o cateter venoso central de oximetria da Edwards e
os cateteres de oximetria PediaSat e o conjunto VolumeView.
* Parâmetros clínicos incluem DCC, VS, VVS, ScvO2, DC, IDFG, FEG, APEV, VDFVD, FEVD


Recursos para ajudar seu hospital a melhorar o atendimento aos pacientes
por meio de uma administração de volume mais informada.
Eu gostaria de testar uma
solução
para ajudar meu
hospital a ampliar
o monitoramento hemodinâmico avançado
para mais pacientes.
Organize uma demonstração
para aumentar a proficiência da minha
equipe cirúrgica em
parâmetros hemodinâmicos.
Ajude-me a aprender mais
sobre o uso de parâmetros
hemodinâmicos avançados.
Peça para um representante
ligar para mim.
Inscreva-me neste e
em futuros webinars–Conformidade
com a PGDT: Estou realmente
otimizando meus pacientes?
Saiba mais. Saiba agora.



References: 
1. Marik & Cavallazzi. Does central venous pressure predict fluid responsiveness? An updated meta-analysis and a plea
for some common sense. Crit Care Med 2013
2. Le Manach et al. Can changes in arterial pressure be used to detect changes in cardiac output during volume
expansion in the perioperative period? Anesthesiology 2013
3. Bellamy MC. Wet, dry or something else? Br J Anaesth 2006;97(6):755-757
4. Grocott et al. Perioperative increase in global blood flow to explicit defined goals and outcomes after surgery: a
Cochrane systematic review. Br J Anaesth 2013
5. Giglio MT, Marucci M, Testini M, Brienza N. Goal-directed haemodynamic therapy and gastrointestinal complications in
major surgery: a meta-analysis of randomized controlled trials. Br J Anaesth 2009; 103: 637–46
6. Dalfino L, Giglio MT, Puntillo F, Marucci M, Brienza N. Haemodynamic goal-directed therapy and postoperative
infections: earlier is better. A systematic review and meta-analysis. Crit Care 2011; 15: R154
7. Corcoran T et al. Perioperative Fluid Management Strategies in Major Surgery: A Stratified Meta-Analysis. Anesthesia –
Analgesia 2012
8. Shoemaker WC, et al. Prospective trial of supranormal values of survivors as therapeutic goals in high-risk surgical
patients. Chest. 1988;23:1176–1186.
9. Boyd O, et al. A randomized clinical trial of the effect of deliberate perioperative increase of oxygen delivery on mortality
in high-risk surgical patients. JAMA. 1993;270(22):2699–2707.
10. Mythen M, Webb A. Perioperative plasma volume expansion reduces the incidence of gut mucosal hypoperfusion
during cardiac surgery. Arch Surg. 1995;130(4):423–429.
11. Sinclair S, James S, Singer M. Intraoperative intravascular volume optimization and length of hospital stay after repair of
proximal femoral fracture: randomised controlled trial. AMJ.1997;315:909–912.
12. Ueno S, et al. Response of patients with cirrhosis who have undergone partial hepatectomy to treatment aimed at
achieving supranormal oxygen delivery and consumption. Surgery.1998;123(3):278–86.
13. Wilson J, Woods I, Fawcett J, Whall R, Dibb W, Morris C, et al. Reducing the risk of major elective surgery: randomised
controlled trial of preoperative optimisation of oxygen delivery. BMJ. 1999;318:1099–103.
14. Lobo SM, Salgado PF, Castillo VG, et al. Effects of maximizing oxygen delivery on morbidity and mortality in high-risk
surgical patients. Crit Care Med. 2000;28:3396–3404.
15. Pölönen P, Ruokonen E, Hippeläinen M, Pöyhönen M, Takala J. A prospective, randomized study of goal-oriented
hemodynamic therapy in cardiac surgical patients. Anesth Analg.2000;90:1052–1059.
16. Gan T, Soppitt A, Maroof M, et al. Goal-directed intraoperative fluid administration reduces length of hospital stay after
major surgery. Anesthesiology. 2002;97(4):820–826.
17. Venn R, Richardson P, Poloniecki J, Grounds M, Newman P. Randomized controlled trial to investigate influence of the
fluid challenge on duration of hospital stay and perioperative morbidity in patients with hip fractures. Br J Anaesth.
2002;88(1):65–71.
18. Conway D, Mayall R, Abdul-Latif M, Gilligan S, Tackaberry C. Randomised controlled trial investigating the influence of
intravenous fluid titration using oesophageal Doppler monitoring during bowel surgery. Anaesthesia.
2002;57(9):845–849.
19. McKendry M, McGloin H, Saberi D, Caudwell L, Brady A, Singer M. Randomised controlled trial assessing the impact of
a nurse delivered, flow monitored protocol for optimization of circulatory status after cardiac surgery. BMJ.
2004;329:358.
20. Pearse R, et al. Early goal-directed therapy after major surgery reduces complications and duration of hospital stay. Crit
Care. 2005;R687–693.
21. Wakeling H, McFall M, Jenkins C, Woods W, Barclay G, Fleming S. Intraoperative oesophageal Doppler-guided fluid
management shortens postoperative hospital stay after major bowel surgery. Br J Anaesth. 2005;95(5):634–642.
22. Noblett S, Snowden C, Shenton B, Horgan A. Randomized clinical trial assessing the effect of Doppler-optimized fluid
management on outcome after elective colorectal resection. BJS. 2006;93(9):1069–1076.
23. Donati A, Loggi S, Preiser J-C, Orsetti G, Munch C, Gabbanelli V, Pelaia P, Pietropaoli P. Goal-directed intraoperative
therapy reduces morbidity and length of hospital stay in high-risk surgical patients. Chest. 2007;132:1817–1824.
24. Chytra I, Pradl R, Bosman R, Pelnar P, Kasal E, Zidkova A. Esophageal Doppler-guided fluid management decreases
blood lactate levels in multiple-trauma patients: a randomized controlled trial. Crit Care. 2007;11:R24.
25. Benes J, et al. Intraoperative fluid optimization using stroke volume variation in high risk surgical patients: results of
prospective randomized study. Crit Care. 2010;14:1-15.
26. Cecconi M, Fasano N, Langiano N, Divella M, Costa M, Rhodes A, Della Rocca G. Goal directed haemodynamic
therapy during elective total hip arthroplasty under regional anaesthesia. Crit Care. 2011;15:R132. doi:10.1186/cc10246.
27. Rhodes A, Cecconi M, Hamilton M, Poloniecki J, Woods J, et al. Goal-directed therapy in high-risk surgical patients: a
15-year follow-up study. Intensive Care Med. doi:10.1007/s00134-010-1869-6.
28. Cannesson M. Arterial pressure variation and goal-directed fluid therapy. J Cardiothorac Vasc Anesth
2010;24(3):487-497
29. Berkenstadt H, et al. Stroke volume variation as a predictor of fluid responsiveness in patients undergoing brain surgery.
Anesth Analg 2001;92:984-989.
30. Michard F. changes in arterial pressure during mechanical ventilation. Anesthesiology. 2005;103:419-428.
31. Michard & Biais. Rational fluid management: dissecting facts from fiction. Br J Anesth 2012.
32. O’Leary MJ: Preventing renal failure in the critically ill. BMJ 2001, 1437-1439
33. Hamilton MA, Cecconi M, Rhodes A. A systematic review and meta-analysis on the use of preemptive hemodynamic
intervention to improve postoperative outcomes in moderate and high risk surgical patients. Anesth Analg 2011; 112:
1392–402
34. Pearse M, Harrison D, MacDonald N, et al. For the OPTIMISE Study Group. Effect of a Perioperative, Cardiac
Output-Guided Hemodynamic Therapy Algorithm on Outcomes Following Major Gastro-Intestinal Surgery: A
Randomized Clinical Trial and Systemic Review. JAMA 2014 doi:10.1001/jama.2014.5305.
35. Michard F, Volume management using dynamic parameters: the good, the bad, and the ugly. Chest 2005;
128:1902–1903
36. Perel et al. Bench-to-bedside review: Functional hemodynamics during surgery – should it be used for all high-risk
cases? Critical Care 2013; 17:203
37. Boyd O, Jackson N. How is risk defined in high-risk surgical patient management? Crit Care. 2005;9(4):390-396.
38. Kuper M, Gold SJ, Callow C, et al. Intraoperative fluid management guided by oesophageal Doppler monitoring. BMJ.
2011;342:d3016.
39. Ramsingh DS, Sanghvi C, Gamboa J, et al. Outcome impact of goal directed fluid therapy during high risk abdominal
surgery in low to moderate risk patients: a randomized controlled trial [published December 2012]. J Clin Monit Comput.
doi: 10.1007/s10877-012-9422-5.
40. Wang P, Wang HW, Zhong TD. Effect of stroke volume variability-guided intraoperative fluid restriction on
gastrointestinal functional recovery [published online ahead of print]. Hepatogastroenterology. 2012;59(120):2457-2460.
41. Bellamy MC. Wet, dry or something else? Br J Anaesth. 2006 Dec;97(6):755-7.
42. Benes J, Giglio M, Brienza N, Michard F. The effects of goal-directed fluid therapy based on dynamic parameters on post-surgical
outcome: a meta-analysis of randomized controlled trials. Crit Care. 2014 Oct 28;18(5):584. 

Informações importantes sobre segurança

Aviso: A legislação federal norte-americana restringe este dispositivo para venda por ou a pedido de um médico. Consulte as instruções de uso para obter informações completas sobre receitas, incluindo indicações, contraindicações, avisos, precauções e eventos adversos.

Informações importantes sobre segurança

Aviso: A legislação federal norte-americana restringe este dispositivo para venda por ou a pedido de um médico. Consulte as instruções de uso para obter informações completas sobre receitas, incluindo indicações, contraindicações, avisos, precauções e eventos adversos.

Please update your browser

Please update to a current version of your preferred browser, this site will perform effectively on the following:

Unable to update your browser?

If you are on a computer, that is maintained by an admin and you cannot install a new browser, ask your admin about it. If you can't change your browser because of compatibility issues, think about installing a second browser for browsing and keep this old one for compatibility